diário, escritos, rascunhos, pulsações de uma vida quase completa

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Vãos amores.

Quantos corpos passaram por mim.
Tantos carinhos fugazes.
Muita ternura repentina.
Os olhos que se encontram e se conectam rapidamente.
Os sexos que se penetram velozmente.
Comunhão de carnes.
Quantos idílicos amores de uma noite.
Tantos beijos ardentes que usam.
Muito amor volátil.
As mãos que se entrelaçam.
Os desejos saciados.
O ápice na petit mort.
E quantos ficam?
Tantos se vão.
Todos se evadem.
Sozinho.
Silente e vazio.
Em que paragem terminará a incansável busca?
Qual o peito em que repousará tudo que arde em mim?
Em quais lábios calarei me desejo?
Qual o sexo em que derramarei meu amor?
Sou só é já não quero sê-lo.
Onde andarás?
Quanto te demoras?
Silêncio.

domingo, 14 de maio de 2017

Meu coração

É o vão. É o breu.
O silêncio. A brecha.
O buraco. O fosso.
O mais profundo dos profundos.
É o chão.
O sem fim também.
A escuridão da alma.
O que me assombra, o que me assusta.
É o nada. É tudo retumbando dentro de mim.
O que não se pode falar.
O que não se pode ver.
O que se pode apenas sentir.
É o centro. É o ventre de minhas dores.
A mãe-pai de meus amores.
O músculo incessante. Incansável.
Emoldurado pelo peito. Aberto.
É o que me mantém.
O cerne do meu ser.
A fagulha divina.
É o mar e a terra.
É ele.
O relógio que nunca para.
Sentido.
Dolorido.
É o começo e o fim.
Aquilo de que não posso me apartar.
As entranhas da carne dura.
É o miocárdio.
É ciência. É poesia.
É pura sapiência e bruta ignorância.
Quem ama e odeia.
O que guarda. O que esquece.
E sempre bate.
Sempre.

sábado, 1 de abril de 2017

Morte

Desmontam-se.
A morte leva.
Viagens afastam.
E já não estão próximos os amores.
O tempo tudo leva.
Tudo apaga.
Os colos não acalentam mais.
Corpos que não se trançam mais.
Mãos não acariciam.
Silêncios que falavam muito não existem.
O barulho do mundo cobriu tudo.
Tudo deixou de existir.
A mangueira morreu.
Eu morro um pouco a cada dia.
Canto na esperança de que o vento leve até teus ouvidos o som de minha voz.
E é só o que posso fazer hoje.
Saudades que não cabem em mim.
Poeira que vou deixando nos caminhos.
Nos passos firmes que dou em direção ao nada que é o fim de tudo.